Homenagem a Socorro Gomes – Texto do discurso de Natália Gomes

DSC_0132

Natália Gomes
Chefe de Gabinete

Diz uma história árabe que um idoso se encontrava plantando tamareiras no deserto. Um jovem o questionou: “Mas por que o senhor perde tanto tempo plantando o que não irá colher?” O senhor virou a cabeça e calmamente respondeu: “Se todos pensassem como você, ninguém no mundo jamais colheria tâmaras. Se hoje sei o sabor da tâmara é porque um dia alguém plantou uma tamareira”. Não é relevante quem se beneficiará dos frutos, o importante de fato é o trabalho realizado. Compreende, meu rapaz? Não é perda de tempo, todavia é uma grande oportunidade de deixarmos um legado para a humanidade usufruir.

O ditado em questão é também bíblico e nos diz que aquele que planta tâmaras, não colhe tâmaras, pois elas levam quase cem anos para produzir os primeiros frutos.

A missão das pessoas do bem, que plantam a esperança e a mudança, é que os frutos daquele trabalho sejam colhidos por aqueles que realmente necessitam. Sem egoísmo. Sem soberba.

Esse raro tipo de pessoa se chama SOCORRO GOMES. Sim, se chama por que o corpo se vai, mas a memória é eterna pela força do seu legado. SOCORRO GOMES militante, mulher de letras e docência, era também uma agricultora de sonhos e plantou tâmaras que começam a frutificar como uma deliciosa realidade pelas mãos de Fátima Gomes, sua irmã.

Impossível não relembrar que SOCORRO não pensava em si, mas nas pessoas. Ela sempre defendia a necessidade de cuidar da nossa gente como a mais importante missão de um gestor público.

SOCORRO não mediu esforços e lutou. Sua luta começou quando lugar de mulher era atrás de um tanque; de um fogão, cuidando da casa e dos filhos, apenas.

Hoje o legado de SOCORRO mostra que o lugar da mulher é onde ela quiser, como estamos vendo aqui. É possível ser mãe, mulher, esposa, gestora e ainda plantar tâmaras.

Nós, SOCORRO GOMES, estamos aqui, cuidando da árvore que você deixou para que os frutos possam proporcionar ao nosso povo a saúde, o emprego e a educação que você tanto defendia.

Nossa luta continua, companheira, por que nosso coração é vermelho, da mesma cor do seu amor incondicional pelo seu povo.

Não, amigos e amigas. Não estamos falando da saudade de SOCORRO GOMES, pois não se sente saudade daquilo que está todo dia e o tempo todo presente entre nós; em nossas intenções, em nossas ações.

Estamos falando é do amor de uma mulher pelo seu povo; de alguém que plantou tâmaras para que nós todos pudéssemos colher; ao mesmo tempo em que também estamos plantando novas árvores de esperança e justiça social, a partir das sementes que você nos deixou.

Quando a semente é boa e o cuidar é justo, os frutos são certos.

 

Natália Gomes

Chefe de Gabinete da Prefeitura Minicipal de Quixelô.