NOTA OFICIAL em resposta à reclamação da senhora EDNA MELO

Quixeloenses,

Tão logo a Prefeitura tomou conhecimento de um vídeo publicado hoje cedo (13) nas redes sociais, contendo denúncia de ‘omissão de atendimento a uma gestante do Município de Quixelô’; foi acionada imediatamente a Secretaria de Saúde que buscou confirmar todas as informações ali relatadas com o objetivo de agir com celeridade para resolver aquela situação.

Depois de apuradas todas as informações, verificamos que eram improcedentes e incompletas e por isso, decidimos esclarecer os fatos narrados na postagem da senhora Edna Melo no Facebook.

Aos Fatos:

  1. NÃO ACONTECEU FALTA DE ASSISTÊNCIA À GESTANTE

No que se diz respeito a essa afirmação vale lembrar que não somente essa, mas qualquer outra gestante tem atendimento garantido nos 07 PSF’S do Município através do Pré-Natal, realizado pelo (a) Enfermeiro (a) e Médico (a) da equipe, e podemos garantir que a senhora Edna Melo estava sendo assistida normalmente pela equipe da UBS Sede 1, tendo sido inclusive realizada, recentemente, duas ultrassons obstétricas na Policlínica Regional de Iguatu, as quais foram encaminhadas pela Central de Regulação do Município de Quixelô.

NÃO HOUVE FALTA DE ASSISTÊNCIA A ESSA GESTANTE EM NENHUM MOMENTO DA SUA GRAVIDEZ.

  1. NÃO OCORREU NEGLIGÊNCIA POR PARTE DO HOSPITAL REGIONAL DE IGUATU

Hoje pela manhã o secretário de Saúde de Quixelô, Rílson Andrade esteve no Hospital Regional de Iguatu e conversou por duas vezes com o médico Obstetra, que foi o mesmo que atendeu a senhora Edna Melo na última quinta-feira (11/01/2018). Segundo informado pelo médico “no momento das avaliações a paciente apresentava um caso de gravidez interrompida, mas com sangramento inexpressivo, orientando a mesma a retornar para casa e aguardar a expulsão natural do feto para que, somente após isso, pudesse ser realizado o procedimento da curetagem, ou então a internação naquela unidade hospitalar, o que no momento não seria a melhor opção, tendo em vista o caso ainda não aparentar a gravidade exigida para tal.”

 

A paciente escolheu a primeira opção e saiu de lá devidamente orientada a procurar o hospital de Quixelô, caso houvesse agravamento do caso, para que fosse novamente referenciada ao hospital do Iguatu, local onde se realiza esse tipo de procedimento.

NÃO HOUVE NEGLIGÊNCIA POR PARTE DO HOSPITAL REGIONAL EM NENHUMA DAS DUAS VEZES EM QUE A PACIENTE LÁ ESTEVE.

  1. NÃO HOUVE FALTA DE ATENDIMENTO POR PARTE DO HOSPITAL DE QUIXELÔ NA MANHÃ DE SÁBADO

Segundo nos relatou a Diretora do hospital de Quixelô a informação colhida junto aos funcionários plantonistas, no momento dos fatos, foi que a senhora Edna Melo compareceu hoje cedinho relatando “dores decorrentes de um problema na gestação”, mas que ao contrário do relatado, o médico já estava no Hospital. Porém a paciente RECUSOU-SE a fazer a ficha (procedimento necessário para qualquer tipo de atendimento pré-hospitalar), e de lá saiu sem ser atendida por opção dela.

NÃO HOUVE FALTA DE ATENDIMENTO POR PARTE DO HOSPITAL DE QUIXELÔ, NEM NESSA MANHÃ E EM NENHUM MOMENTO EM QUE ELA PROCUROU O SERVIÇO.

  1. AS MEDIDAS TOMADAS PELA SAÚDE DE QUIXELÔ

Segundo relatado pelo secretário de Saúde, Rílson Andrade, desde que essa paciente retornou da primeira e da segunda vez ao Hospital Regional, ela ou qualquer pessoa da família procuraram a gestão da Saúde informando que havia um outro problema além dos quais já tínhamos conhecimento.

O secretário, Rílson Andrade, esteve pessoalmente no HRI – Hospital Regional de Iguatu e tão logo ouviu os esclarecimentos médicos informou ao médico que iria procurar a paciente e conduzi-la ao hospital do Município para ser novamente reavaliada e, se o estado de saúde exigisse, seria internada até o momento em que o corpo clinico julgasse necessária a intervenção.

Antes mesmo de sair do Hospital Regional, o secretário Rílson Andrade soube que a paciente já estava lá e que teria vindo sem qualquer conhecimento do Município de origem, direto para Iguatu. Tal atitude unilateral impediria a internação naquele centro hospitalar. Assim, o secretário compareceu ao setor de Assistência Social e à Central de Regulação para, pessoalmente, cuidar dos procedimentos burocráticos visando a sua internação. O secretário, Rílson Andrade só retornou à Quixelô somente após a paciente encontrar-se devidamente internada naquela clinica obstétrica.

MAIS UMA VEZ A PREFEITURA INTERVIU, COMO JÁ FEZ EM INÚMEROS CASOS COMO ESSE, A PARTIR DO CONHECIMENTO DOS FATOS. TEMOS UMA EQUIPE DE PRONTIDÃO, TODOS OS DIAS, QUER SEJA NA SECRETARIA DE SAÚDE OU NA DIREÇÃO DO HOSPITAL, RESOLVENDO DEZENAS DE SEMELHANTES SITUAÇÕES DE SAÚDE QUE SEMPRE APARECEM.  

  1. PROVIDÊNCIAS LEGAIS CABÍVEIS

Por fim, temos pleno conhecimento, que é direito do cidadão cobrar da gestão caso algum serviço não tenha sido realizado. Porém é inaceitável que essa cobrança seja feita de forma a desrespeitar qualquer que seja a pessoa envolvida no procedimento, muito menos a prefeita de Quixelô.

Ficamos perplexos com as palavras de baixo calão e com as ofensas desferidas à prefeita Fátima Gomes e informamos que, segunda-feira, o nosso jurídico irá tomar todas as providências legais cabíveis e possíveis em virtude do que foi postado por essas pessoas no Facebook contra a honra e a imagem da prefeita.

Atitudes dessa natureza e com esse conteúdo serão combatidas legalmente de forma que não mais venham a acontecer.

Lamentamos a perda da senhora Edna porém não podemos aceitar que a postura adotada tenha sido jogar informações incompletas nas redes sociais com o intuito de criar um clima de comoção pública desnecessário, haja vista que, mesmo com o problema por que passa a senhora Edna Melo, a paciente estava sob os cuidados da Saúde de Quixelô. Tais posturas devem ser evitadas quando o atendimento está em curso e a pessoa orientada pelo médico.

Pela

Chefia de Gabinete da Prefeita Fátima Gomes

Assessoria de Comunicação

Luís Sucupira

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quixelô no ZAP! Ouças as principais notícias